Chapada dos Veadeiros

20 de maio de 2010 – parte II

A escolha pela cidade de Alto Paraíso se deu pelos seguintes motivos: ser central em relação as atrações que queríamos visitar, ter infraestrutura turística e localizar-se a 230 km de Brasília-DF. A estrada não era um tapete, mas em termos de sinalização não deixou a desejar, uma vez que não tínhamos mapa impresso e ainda assim conseguimos nos situar bem.  Deixamos Brasília por volta de 11:00 horas da manhã. Paramos na estrada para almoçar no Restaurante Chapéu de Sol, localizado em São João D’Aliança-GO, distante 152 km de Brasília, self-service por quilo, com estrutura muito bacana, preço convidativo e comida saborosa.

Seguimos viagem e ao chegarmos a Alto, fomos à procura de hospedagem. Visitamos a Pousada Alfa e Ômega, adentramos a estrutura, avaliamos o quarto e o preço, R$ 80,00 pela diária para casal com café incluso. A caminho da pousada seguinte, demos uma passada no ponto de informações turísticas, ouvimos as explicações da guia, pegamos alguns panfletos e continuamos nossa busca pela acomodação. Avistamos a Pousada dos Guias. Visitamos as instalações e o preço também era camarada. A seguir, entramos na Pousada das Cerejeiras. A recepcionista falava ao telefone enquanto olhávamos a estrutura e ela emendava um assunto no outro, sem nos dar atenção… demos as costas e fomos embora. Falta de respeito! Já cansados, optamos mesmo pela Pousada dos Guias e seu preço camarada. Pagando a vista, a diária casal saiu por R$ 60,00 com café da manhã. A acomodação era simples, mas para nós que passaríamos o dia inteiro entre caminhadas e trilhas, dormir confortavelmente nos bastava. Ainda tínhamos a vantagem de estar com um guia para nos dar informações e tirar nossas dúvidas.

Instalamo-nos, descansamos um pouco e fizemos umas comprinhas para abastecer o frigobar do quarto e as mochilas durante os passeios, pois nem todas as atrações oferecem venda de comidas e bebidas, além do que nosso tempo era curto e queríamos ver e curtir ao máximo. Almoçar, pra quê? Caprichávamos mesmo era no jantar! Compramos os ingredientes, fizemos alguns sanduíches e embalamos em papel alumínio. Nossa compra totalizou R$126,00/casal.

Já era noite, abrimos um vinho e iniciamos a discussão do nosso roteiro. Primeiramente, separamos as atrações por distância e depois por grau de dificuldade. Fizemos um pré-roteiro e eis que surge Jânio, guia e dono da pousada, para nos ajudar. Como éramos quatro pessoas sedentárias, eliminamos do nosso roteiro passeios cujas trilhas eram maiores que 3 km ou aquelas com grau de dificuldade médio/alto. O Jânio foi super bacana, criticou ali, incluiu aqui e assim ficou:

1º dia: Vale da Lua, Raizama, Encontro das Águas e Águas Termais.

2º dia: Poço Encantado, Cristal e Loquinhas.

3º dia: Almécegas I e II e São Bento. (Dia mais curto, pois à tarde retornaríamos a Brasília).

Pronto! Agora era só se preparar para curtir as belezas naturais. Para encerrar a noite, após um vinhozinho, fomos jantar no Restaurante Massas da Mama. O prato individual é bem servido, agora, em termos de sabor, deixou a desejar. Além do mais, a dona demonstrou certa impaciência, parecia querer fechar o restaurante, cujo movimento não estava bom… enfim, ficamos incomodados com a atitude dela.

 >> Chapéu de Sol: Av. Joaquim R. dos Santos – Saída de São João da D’aliança sentido Alto Paraíso – GO. (62) 3438 1521

>> Pousada dos Guias: Rua Zorozimo Barbosa – Qd. 17 – Lt 03 – CEP: 73770-000 Fone: (62) 3446 1231

>> Massas da Mamma R. S. José Operário, 305 (Centro) Alto Paraíso de Goiás – GO Fone: (62)3446-1362

One comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *